Centro de informação COVID-19. Encontre recursos, links e informações úteis para pequenas e médias empresas. Saiba mais

Libra dispara novamente com novo acordo a dar entrada no Parlamento

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

21 October 2019

Escrito por
Enrique Díaz-Álvarez

Chief Risk Officer at Ebury. Committed to mitigating FX risk through tailored strategies, detailed market insight, and FXFC forecasting for Bloomberg.

A política conduziu os mercados cambiais na semana passada, com as notícias positivas sobre o Brexit a suportar a Libra e a impulsionar a subida das demais moedas europeias.

E
mbora a Libra tenha perdido parte desses ganhos, no domingo à noite nos mercados asiáticos, os mercados parecem acreditar agora que o risco de uma saída sem acordo é significativamente menor e que será possível obter um acordo que seja aprovado pelo Parlamento Britânico. Mudando da Libra para o Dólar, este continuou a desvalorizar na semana passada. Em termos comerciais, o valor do Dólar está abaixo do nível verificado no início do ano. Tal como prevíamos, são as moedas dos mercados emergentes que, tendo recuperado de níveis de sobrevalorização, lideram o caminho.

Nesta semana as atenções não se devem desviar da evolução do Brexit, embora se espere que as notícias sobre as relações entre os EUA e a China também influenciem o estado de espírito. A reunião do BCE e os índices da atividade empresarial PMI da Zona Euro, de quinta-feira, constituem, respetivamente, as novidades políticas e macroeconómicas da semana.

EUR

Sem dados significativos saídos da Zona Euro, a moeda comum transacionou face à Libra e ao Dólar com base nos desenvolvimentos do Brexit e na crescente sensação de otimismo em torno do acordo comercial entre os EUA e a China. O Euro recuperou inequivocamente dos valores mínimos do início do mês de outubro e está próximo da média registada nos últimos três anos face ao Dólar. Os índices PMI continuam a ser a fonte mais importante da Zona Euro e é bem possível que o otimismo em relação ao Brexit, partilhado pelas empresas, traga novidades positivas. Esperam-se poucas novidades da última reunião do BCE liderada por Draghi, na próxima semana, antes da passagem de testemunho a Christine Lagarde.

GBP

O novo Acordo de Saída negociado pelo governo de Boris Johnson não foi rejeitado nem aprovado pelo Parlamento durante o fim-de-semana. Em contrapartida, os legisladores obrigaram Johnson a pedir um adiamento do prazo de saída. Neste preciso momento consta que a UE está preparada para conceder um alargamento de três meses do prazo, caso o acordo não seja aprovado pelo Parlamento Britânico na próxima semana. Mantemos a nossa opinião de que o adiamento seguido de eleições gerais é o cenário mais provável, não sendo de excluir um segundo referendo, em que uma das opções seja Não Sair.

USD

Um Dólar fraco continua a ser influenciado por um misto de otimismo dos investidores e de apetite pelo risco ao nível mundial. Na semana passada, os números baixos das vendas a retalho também contribuíram para a queda do Dólar. Os dados de segunda linha publicados foram igualmente pouco animadores. Na ausência de informações importantes previstas para esta semana, o Dólar deverá continuar a ser comercializado com base em eventos externos, principalmente relacionados com a Europa e o Brexit.

Partilhar