Centro de informação COVID-19. Encontre recursos, links e informações úteis para pequenas e médias empresas. Saiba mais

Dólar recua alienando fortemente o mercado obrigacionista

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

16 September 2019

Escrito por
Enrique Díaz-Álvarez

Chief Risk Officer at Ebury. Committed to mitigating FX risk through tailored strategies, detailed market insight, and FXFC forecasting for Bloomberg.

O foco dos mercados financeiros mundiais prossegue a forte correção em curso nos mercados de rendibilidade fixa.

O
s títulos do Tesouro norte-americano a 10 anos rendem agora quase 0,50% mais do que no início do mês, quando um surto de compra provocado pelo pânico de uma acomodação interminável do banco central os colocou abaixo de 1,5%. A constatação de que a recessão mundial não está iminente transformou agora essas compras desenfreadas de títulos do governo em vendas igualmente desenfreadas. Como sempre, quando as taxas aumentam, o Iene tem um desempenho significativamente baixo. Curiosamente, o Dólar não beneficiou muito com o maior diferencial entre as rendibilidades nos EUA e na Europa nem com o alívio significativo anunciado pelo BCE. As moedas dos mercados emergentes também tiveram um desempenho superior na semana passada.

Nesta semana, os mercados cambiais vão estar atentos às reuniões dos bancos centrais. Além do Banco do Japão, a Reserva Federal reúne na quarta-feira, com os mercados a dar como quase certo um corte de 25 pontos base. O Banco de Inglaterra reúne na quinta-feira, embora não esperemos notícias com grande impacto nos mercados. Os dados da inflação do Reino Unido e do Japão completam a semana.

EUR

Da reunião do BCE saíram resultados muito divergentes. O corte das taxas e as metas mensais de compra de ativos foram menores do que o esperado. Porém, por outro lado, o programa de estímulos monetários estará agora em aberto até que a inflação regresse claramente à meta. Contudo, houve uma resistência considerável dos membros mais duros do conselho, e os mercados optaram por se focar nesse ponto e fazer o Euro subir logo após a reunião. O limiar para medidas adicionais de estímulo monetário está provavelmente muito elevado agora, mas isso parece ser positivo para o Euro, especialmente se os rumores que circulam sobre um alívio fiscal na Europa se materializarem em estímulos significativos.

GBP

A Libra esterlina continua a crescer à medida que as perspetivas de um Brexit sem acordo recuam. O parlamento britânico aprovou uma lei que obriga o governo a procurar uma prorrogação em vez de enfrentar um Brexit sem acordo. Os mercados de apostas colocam agora as probabilidades de tal acontecer em cerca de 20%, quase metade do pico. A nossa previsão de que nenhuma solução para o problema do Brexit é possível sem eleições gerais parece ser agora o principal cenário. Os dados económicos continuam a desafiar as expectativas de um colapso da confiança induzido pelo Brexit. Com as probabilidades de uma saída sem acordo a recuar, acreditamos que é bastante provável que o reforço da Libra continue nas próximas semanas. Esperamos que o Banco de Inglaterra mantenha a sua linha mais recente e pouco adiante sobre política monetária, enquanto aguarda o resultado das negociações do Brexit.

USD

O aumento exponencial das rendibilidades nos EUA, que ultrapassou rapidamente todos os outros mercados de dívida soberana do G10, pouco serviu para ajudar à recuperação do Dólar. A reunião de quarta-feira da Reserva Federal será particularmente difícil, até porque o relatório da semana passada sobre a inflação mostra que esta está numa clara tendência ascendente. A inflação subjacente, que exclui as componentes voláteis da alimentação e da energia, está há 18 meses acima da meta do Fed, tendo atingido agora o seu nível mais alto desde a grande crise financeira de 2008-2009. Embora a redução das taxas pareça ser uma certeza, até que ponto a tendência ascendente da inflação dará força aos falcões do comité FOMC é a grande questão.

Partilhar