Centro de informação COVID-19. Encontre recursos, links e informações úteis para pequenas e médias empresas. Saiba mais

CLP: Continuamos a prever ganhos para o Peso chileno face às principais moedas

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

27 May 2019

Escrito por
Enrique Díaz-Álvarez

Chief Risk Officer at Ebury. Committed to mitigating FX risk through tailored strategies, detailed market insight, and FXFC forecasting for Bloomberg.

O Peso chileno (CLP) consolidou-se fortemente nos dois anos após o início de 2016, embora tenha, desde o início de 2018, perdido aproximadamente 15% do seu valor em relação a um Dólar americano, notoriamente mais forte.

A moeda tem estado sob pressão, reagindo à queda dos preços do cobre, ao qual a economia chilena está fortemente ligada, embora a subida das taxas pelo Banco Central do Chile, em 2019, tenha até agora ajudado a apoiar o Peso.

A produção de cobre é, de longe, a maior fonte isolada de receitas da exportação para a economia chilena, sendo responsável por aproximadamente 50% da procura externa total e por um quinto do PIB total. Os preços do cobre na London Metal Exchange (LME) aumentaram para valores acima de US$ 7300 por tonelada em meados de 2018, o nível mais elevado em mais de quatro anos. As preocupações com a guerra comercial EUA-China, no entanto, pesaram muito sobre o preço daquela mercadoria, já que a China é o maior consumidor do metal no mundo, levando a uma descida abaixo de US $ 6.000 por tonelada no início do ano. As políticas protecionistas do presidente Trump, aliadas a alguns dados macroeconómicos bastante fracos da maior economia da Ásia, suscitaram preocupações sobre a desaceleração da atividade na China e levaram o mercado a preocupar-se com a desaceleração da procura deste metal. Dada a forte dependência do Chile da produção de cobre, não é surpreendente que o Peso chileno tenha seguido uma tendência semelhante à dos preços do cobre nos últimos anos.

A economia chilena cresceu 3,6% em termos homólogos no quarto trimestre, embora tenha permanecido em níveis muito saudáveis ​​em termos trimestrais, crescendo a uns sólidos 1,3%. Este boom foi impulsionado em grande parte pelo aumento da produção e do investimento na mineração, e por um aumento sólido das despesas de consumo em 3,6%. Em 2019, a atividade doméstica tem mostrado sinais de dinamismo, ajudada em parte pela inflação moderada e por uma ligeira recuperação do mercado de trabalho que viu o desemprego cair para baixo de 7%. Em abril, o Banco Central do Chile reviu ligeiramente em baixa a previsão de crescimento para o Chile em 2019, embora ainda espere que a economia apresente uma expansão saudável de 3-4% este ano em relação à projeção anterior de 3,25-4,25%. Esta revisão do crescimento para baixo pode dever-se, em parte, ao último aumento nos preços globais do petróleo, um aspeto negativo para a balança comercial do país, dado que o Chile é um importador líquido daquele produto.

O aumento da atividade económica nos últimos tempos permitiu que o banco central do país, o Banco Central do Chile, começasse a endurecer a política monetária. Tal como tínhamos previsto na nossa última revisão das previsões para a América Latina em novembro, o Banco Central do Chile aumentou as taxas de juro em 25 pontos base em janeiro. Esta subida seguiu-se a outra, em outubro, a primeira desde 2015, levando a taxa para 3,0%. De acordo com a declaração do banco, o clima macroeconómico “continua a justificar uma redução gradual do estímulo monetário”, sugerindo que aumentos adicionais da taxa de juro estão na calha para o restante de 2019.

A inflação global subiu a mais de 3% no final de 2018, embora tenha caído até ao limite inferior da meta da inflação de 2-4% do banco central, devendo limitar a necessidade de um aperto adicional da política do banco central. O recente abrandamento da inflação significa que as taxas de juro reais estão agora de novo em território positivo fixando-se atualmente em cerca de 1%. Este regresso das taxas reais de volta a terreno positivo é um desenvolvimento muito bem-vindo para a moeda e pode ajudar a reverter grande parte das perdas recentes do Peso.

Continuamos bastante otimistas com as perspetivas para o Peso chileno e esperamos que apresente ganhos em relação ao Dólar americano este ano. As taxas de juro reais são positivas, a economia continua a crescer a uma taxa sólida e as reservas cambiais são adequadas, situando-se em cerca de sete meses de cobertura da importação. Entendemos ainda que as preocupações com o protecionismo entre os EUA e a China são um pouco exageradas, o que pode ajudar os preços do cobre e o Peso. Por conseguinte, este ano continuamos a prever ganhos para o CLP face às principais moedas.

Partilhar