Valorização do Dólar ganha força depois de novos estímulos do BCE
Embora os mercados se preparassem para uma reunião cautelosa do BCE, o banco central conseguiu superar as expectativas com uma significativa revisão em baixa das previsões de crescimento e da inflação e o anúncio de uma nova ronda de financiamentos de longo prazo a baixo custo para os bancos.
Deste modo, o Euro desce aos mínimos de 18 meses, mal atingindo o nível de 1,12. Os dados dos salários dos EUA, divulgados no dia seguinte, estabilizaram a moeda comum, mas o Dólar ainda terminou a semana em alta, face a todas as moedas do G10, à exceção do Iene. As moedas dos mercados emergentes também tiveram uma semana difícil, com as divisas latino-americanas a liderar a queda depois de o relatório sobre o emprego americano ter afetado a generalidade dos ativos de risco.

Esta semana a política será o centro das atenções, já que novas votações críticas sobre o Brexit estão marcadas para terça e quarta-feira. A inflação dos EUA e as vendas de retalho completam o calendário de eventos importantes da semana.

EUR



O BCE reviu em baixa as suas previsões de crescimento e da inflação ainda mais além do que o esperado pelos mercados. Além disso, mudou sua orientação futura, não se esperando agora nenhum aumento até dezembro, e Draghi insinuou que já tinha sido discutido um atraso até março. Finalmente foi anunciada uma renovação do financiamento de longo prazo com baixos custos (LTRO) para os bancos, o que a maioria dos analistas não esperava.

É interessante que esta viragem tímida tenha coincidido com algumas notícias positivas dos principais indicadores da atividade empresarial. Os PMI compósitos da maioria dos países foram revistos em alta, e os detalhes do relatório de crescimento do PIB do quarto trimestre foram mais fortes do que o título parece indicar. Acreditamos que esta viragem positiva, aliada ao tom mais fraco dos dados mais recentes dos EUA, pode levar a moeda comum novamente para o nível de 1,15 nas próximas semanas.

GBP



Depois de umas semanas relativamente calmas, esperamos uma negociação volátil da Libra, esta semana. O acordo de saída do governo será provavelmente rejeitado mais uma vez pela grande maioria do Parlamento, na terça-feira. Esperamos que o Parlamento vote no dia seguinte a rejeição de uma saída sem acordo e requeira uma prorrogação do artigo 50.º, na quinta-feira. Se estivermos certos, deveremos assistir a uma valorização significativa da Libra. No entanto, a incerteza em torno deste adiamento é invulgarmente elevada. Em particular, a última etapa da sequência acima (o pedido de uma prorrogação) está longe de estar garantida, mesmo que as duas primeiras etapas decorram como esperado. Os mercados estão preparados para uma semana muito volátil.

USD



Tivemos notícias mistas no relatório do mercado laboral de fevereiro nos EUA. Os números desiludiram, com apenas 20 mil empregos criados, contra as expectativas de quase dez vezes esse número. No entanto, os salários continuam a subir e estão agora em 3,4%, um dos valores mais elevados dos últimos dez anos. Por outro lado, os dados das famílias pintam um quadro muito diferente. O desemprego diminuiu e o subemprego caiu substancialmente. A clara tendência de alta do valor dos salários, em particular, faz da inflação um dado crítico para a posição da Reserva Federal de esperar para ver e para a nossa previsão de não aumentos em 2019.

Imprimir