Reino Unido irá deixar a União Europeia; o que acontece depois?
O Reino Unido está finalmente preparado para deixar a União Europeia na sexta-feira, quase um ano depois do planeado originalmente.
A
pós a vigorosa vitória eleitoral de Boris Johnson, que rendeu uma maioria considerável de 80 lugares para o Partido Conservador, os parlamentares britânicos votaram esmagadoramente a favor do Projeto de Lei de Brexit do Primeiro Ministro em Dezembro. Isso garante que o Reino Unido irá sair da União Europeia oficialmente a 31 de Janeiro com um acordo de retirada, evitando o cenário de não acordo; que os investidores há muito percecionam como o pior resultado para a economia britânica e para a libra.

Mas o que acontece após a saída do Reino Unido da União Europeia?

A partir de 1 de Fevereiro, o Reino Unido entrará num período de transição. Durante o período de transição, que está programado durar até final de Dezembro de 2020, o Reino Unido permanecerá dentro da união aduaneira da União Europeia, embora não esteja envolvido em nenhuma tomada de decisão política dentro do Parlamento Europeu. Na realidade, muito pouco mudará, com o status quo efetivamente prolongado até ao final do ano.

A principal questão sobre o período de transição é a sua duração. É previsto que dure 21 meses a partir da data original de saída do Artigo 50 de 29 de março de 2019, embora não tenha sido estendida, apesar dos vários atrasos no prazo do Brexit. O Reino Unido e a União Europeia têm, portanto, apenas onze meses, a fim de discutir o máximo de termos da futura relação.

No mercado cambial, o foco está em saber se um acordo completo pode ou não ser alcançado durante esse período ou se é necessária uma extensão além do prazo de 31 de Dezembro de 2020 para evitar uma saída catastrófica da União Europeia. Embora Johnson insista em não procurar uma extensão do período de transição, muitos analistas políticos estão bastante céticos se isso fornecerá tempo suficiente para que as negociações ocorram.

Se Johnson quisesse voltar atrás, teria até o final de Junho para pedir uma prorrogação. Acreditamos que esse prazo de final de Junho estará no foco nos próximos meses, principalmente se ficar claro em Abril ou Maio que simplesmente não há tempo suficiente para que ambos os lados cheguem a um acordo até o final do ano.

Como reagiu a libra?


A libra teve uma subida acentuada após a vitória de Johnson em meados de Dezembro, quando os investidores aplaudiram a evasão de um Brexit "sem acordo" no curto prazo. A moeda, no entanto, já perdeu a totalidade de seus ganhos (Gráfico 1), em grande parte devido a preocupações com a duração do período de transição.

Gráfico 1: GBP/USD & GBP/EUR (Novembro ‘19 - Janeiro ‘20)

Fonte: Refinitiv Datastream Data: 27/01/2020

Apesar da retração mencionada na libra, continuamos otimistas em relação à moeda do Reino Unido. Esperamos que um acordo seja concluído até o final do período de transição ou, mais provavelmente, que os conservadores solicitem um adiamento de última hora. O evitar de uma saída catastrófica deve, na nossa opinião, levar a uma valorização da libra em relação à maioria de seus principais pares durante o resto de 2020. Acreditamos que o evitar de um Brexit 'sem acordo' no final de Janeiro deve começar a filtrar o caminho para uma melhoria da informação económica doméstica no Reino Unido, o que provavelmente fornecerá reforço adicional à libra esterlina.
Imprimir