EBURY WEBINAR - FX markets: Events that shaped 2022 and outlook for 2023 | 13th December 2022. Save your seat.

Turbilhão de subidas dos bancos centrais assola os mercados e faz subir o Dólar

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

26 Setembro 2022

Escrito por
Enrique Díaz-Álvarez

Chief Risk Officer na Ebury

A semana passada foi uma das mais tumultuosas nos mercados monetários há já muito tempo.

A
determinação inequívoca da Reserva Federal recebeu a maior parte da atenção, mas muitos outros bancos centrais também subiram as taxas e soaram os alarmes sobre a inflação na Suíça, Suécia, África do Sul e Reino Unido, entre outros. O Banco do Japão foi a única exceção, mas mesmo neste país as autoridades intervieram nos mercados para travar a implacável depreciação do Iene.

O Banco de Inglaterra está agora no centro das atenções depois de os mercados terem reagido violentamente ao orçamento do défice de Liz Truss, vaporizando o mercado das obrigações do Tesouro e a Libra esterlina. As taxas de juro subiram em todo o mundo, os ativos de risco caíram e os investidores voaram em direção à segurança do Dólar americano, que valorizou enormemente face a todas as outras principais moedas, à exceção do Iene.

Num contexto inflacionista, as desvalorizações monetárias são um desenvolvimento muito pouco desejável, e esperamos que as autoridades fiscais e monetárias sigam os passos do Japão e comecem a recuar, seja de forma retórica, seja com mais aumentos ou intervenção direta. Os funcionários do Banco de Inglaterra devem dar o pontapé de saída depois do afundanço da Libra na semana passada. A Zona Euro estará também sob as luzes da ribalta, começando com a reação do mercado à vitória da direita nas eleições italianas e seguindo-se o relatório da inflação de setembro, que será conhecido na sexta-feira. De qualquer modo, o desastre nos mercados obrigacionistas e monetários do Reino Unido sugere que a paciência dos mercados com os enormes défices fiscais chegou finalmente ao fim.

EUR

Os índices PMI da atividade económica enfraqueceram ligeiramente, como esperado, para níveis consistentes com uma economia que possivelmente caminha em direção à estagnação ou a uma recessão pouco profunda, mas com uma divergência notável entre a Alemanha e a França, que ainda está a crescer.

O Euro foi arrastado pela subida em flecha do Dólar, mas vale a pena notar que as taxas subiram mais na Zona Euro na semana passada do que nos EUA, à medida que o BCE se aproxima da realidade e se torna cada vez mais rígido. Espera-se que a inflação de setembro atinja mais um recorde, tanto na inflação global como na subjacente, e a desvalorização do Euro só está a agravar o problema. Mesmo após o aumento maciço das taxas na semana passada, os mercados estão apenas a contar com um aumento até 3% no máximo por parte do BCE, o que nos parece demasiado baixo.

USD

A Reserva Federal subiu 75 p.b e enviou uma mensagem inequívoca no “dots plot“, onde o membro mediano espera agora que a sua taxa termine 2021 acima dos 4,5%. O Presidente Powell sugeriu que as taxas subirão enquanto a inflação permanecer inaceitavelmente elevada, mesmo à custa de um aumento do desemprego.

A única notícia macroeconómica de nota esta semana é o relatório da inflação do consumo privado que será publicado na sexta-feira, mas por outro lado assistiremos a um número invulgarmente elevado de discursos de membros da Reserva Federal. Não esperamos quaisquer desvios significativos em relação à linha dura de Powell da reunião da semana passada.

GBP

A reunião relativamente calma do Banco de Inglaterra na quinta-feira foi seguida por um dia dramático de negociações na sexta-feira. A Primeira-Ministra Liz Truss entregou um orçamento cheio de dispendiosos cortes fiscais que implicam uma expansão em massa dos défices e da emissão de obrigações, e os mercados não receberam bem as notícias. O mercado dos títulos teve talvez o seu pior dia de negociação da história, com filmes surrealistas de 50 pontos base ou mais e a queda da Libra em relação a todas as outras moedas principais, particularmente o Dólar americano.

As notícias económicas tornar-se-ão mais ou menos irrelevantes durante algum tempo, uma vez que neste momento todos os olhares estão virados para a reação do Banco de Inglaterra ao orçamento abertamente inflacionista dos Conservadores. Todas as apostas estão agora suspensas e não descartamos a possibilidade de uma subida de emergência nas taxas entre reuniões para apoiar a moeda. Ainda assim, os mercados estão a contar com uma resposta vigorosa, incluindo 200 p.b. em aumentos até ao final do ano e uma taxa terminal mais próxima de 6% do que 5%.

 

🔊 Quer estar por dentro de todas as novidades do mercado cambial? Não perca o FXTalk!.


Quer saber mais sobre o mercado de câmbios e como os nossos peritos o podem ajudar?. Contacte-nos.

Partilhar