Centro de informação COVID-19. Encontre recursos, links e informações úteis para pequenas e médias empresas. Saiba mais

Reajustes de final do mês fazem mexer os mercados monetários

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

4 May 2021

Escrito por
Enrique Díaz-Álvarez

Chief Risk Officer na Ebury

Como acontece frequentemente no final do mês, reajustamentos às carteiras pelos gestores de ativos resultaram em muita volatilidade aleatória nos mercados monetários na semana passada.

O
Dólar canadiano chegou ao primeiro lugar da classificação semanal do G10, enquanto as moedas da América Latina se posicionaram tanto entre os primeiros como os últimos lugares. A reunião de abril da Reserva Federal reafirmou uma perspetiva de política monetária fortemente conservadora e os rendimentos das obrigações voltaram a aumentar, sustentados por fortes dados económicos dos EUA, enquanto as pressões inflacionistas continuam a dar sinais de subida.

Esta semana, encurtada pelo feriado, não trará muitas novidades. O Banco de Inglaterra reúne-se na quinta-feira e provavelmente não irá mais longe do que reconhecer um crescimento acima das expetativas. As atenções estarão mais centradas na aproximação das taxas de vacinação dos EUA e da Zona Euro, o que poderá estimular a valorização do Euro.

GBP

Na semana passada, não foram publicados dados de primeiro nível no Reino Unido, pelo que a Libra esterlina foi negociada mais ou menos taco a taco com o Euro face a outras moedas mundiais. Esta quinta-feira promete, no entanto, ser um dia de alguma volatilidade para a Libra. O Banco de Inglaterra não deverá anunciar alterações às definições das políticas monetárias, mas será interessante avaliar a reação do Comité de Política Monetária aos dados fortes publicados recentemente. Mais tarde, assistiremos aos resultados das eleições parlamentares escocesas, que provavelmente trarão outra maioria pró-independência e poderão acrescentar algum risco político à Libra.

 

EUR

O crescimento do PIB no primeiro trimestre de 2021 e a inflação no mês de abril vieram bastante ao encontro das expetativas. O primeiro contraiu 3,2% numa base anualizada, mas reflete o passado e foi completamente ignorado à medida que os mercados se concentram em indicadores muito mais promissores para o futuro. O segundo registou igualmente um forte aumento dos números da inflação global impulsionados pelos custos energéticos, não obstante uma inflação subjacente muito moderada, arrastada pelas restrições anti-COVID ainda em vigor. Tal como no Reino Unido, não se prevê grandes novidades na semana em curso. Pelo contrário, os olhos estarão postos nos pagamentos do fundo de recuperação e resiliência.

 

USD

A Reserva Federal manteve-se fiel às suas armas conservadoras na reunião de abril, prometendo novamente preservar a solidez económica e as pressões inflacionistas e manter a política monetária extremamente expansionista. O relatório do PIB do primeiro trimestre foi muito mais forte do que o esperado, aumentando a uma taxa anual de 6,1% apesar de uma redução do inventário, o que é um bom presságio para o futuro. Do lado negativo para o Dólar americano, as importações continuam a ultrapassar em muito as exportações, e a maioria dos indicadores das pressões sobre os preços continuam a ultrapassar as expetativas que já foram revistas em alta.

Partilhar