Centro de informação COVID-19. Encontre recursos, links e informações úteis para pequenas e médias empresas. Saiba mais

PEN: Vemos o par USD/PEN estável em torno de 3,30

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

27 May 2019

Escrito por
Enrique Díaz-Álvarez

Chief Risk Officer at Ebury. Committed to mitigating FX risk through tailored strategies, detailed market insight, and FXFC forecasting for Bloomberg.

O Novo Sol Peruano (PEN) evoluiu de acordo com as nossas expectativas nos últimos meses, sendo negociado dentro de uma faixa relativamente estreita e aguentando-se contra um Dólar americano largamente mais forte.

A moeda perdeu terreno no segundo semestre de 2018 no meio de um modo “risk-off” geral nos mercados financeiros globais, embora tenha recuperado muitas das suas perdas e esteja atualmente próxima da nossa previsão de longo prazo de 3,30 para o Dólar. O Novo Sol tem sido o menos volátil e uma das moedas com melhor desempenho da América Latina nos últimos doze meses. Isto deve-se em parte à intervenção do banco central para limitar as flutuações cambiais.

A baixa do Novo Sol no segundo semestre do ano passado foi também parcialmente motivada pelo declínio dos preços globais do cobre, ao qual a economia peruana está historicamente ligada. Preocupações com a desaceleração económica na China e temores de uma escalada no conflito comercial EUA-China fizeram com que os preços do cobre na London Metal Exchange (LME) caíssem em meados de 2018 de US $ 7.000 por tonelada para US $ 6.000. O cobre é o responsável pela maior fatia individual das exportações do Peru, representando mais de um quarto da receita total das exportações.

A grande contribuição do cobre para a produção económica global do Peru faz com que o PEN siga normalmente um percurso semelhante ao do preço daquele produto. Esta tendência parece ter-se restabelecido em 2019, após um período de afastamento temporário no final de 2018.

A fim de aliviar ainda mais a pressão sobre a moeda e apoiar a economia nacional, o Banco Central do Peru embarcou numa série de cortes nas taxas de juro em 2017 e no início de 2018. As taxas foram reduzidas num total de 150 pontos-base durante esse período, o que ajudou a subir o crescimento e a inflação no Peru nos últimos trimestres. A economia peruana cresceu 4,8%, em termos homólogos, no quarto trimestre de 2018, ou seja, o dobro do ritmo de crescimento do trimestre anterior. Isto deveu-se em grande parte à forte procura interna e externa, tendo o investimento fixo também aumentado 5,8% face ao ano anterior. O consumo interno tem sido sustentado por maiores salários e baixas taxas de juro.

Com a economia a crescer a um ritmo encorajador e a inflação a tender novamente para cima, acreditamos que é provável assistirmos a uma subida das taxas nas próximas reuniões do banco central. A inflação global tem aumentado gradualmente nos últimos doze meses, ajudada em parte pelo aumento dos preços globais do petróleo. Os preços ao consumidor cresceram 2,6% face ao mesmo período do ano passado em abril, o seu ritmo mais rápido desde setembro de 2017. Pensamos que a inflação no limite superior do intervalo de 1 a 3% poderia encorajar o banco central a aumentar as taxas pelo menos duas vezes em 2019, sendo a primeira subida possivelmente na reunião de junho ou julho.

Após aquisições recentes de moeda estrangeira com o objetivo de impedir uma valorização do PEN, o banco central acumulou uma quantidade significativa de moeda estrangeira. Em termos relativos, as reservas aumentaram novamente após uma queda das importações e agora estão de volta a um nível muito saudável correspondente a cerca de vinte meses de cobertura das importações. Isto deve ser suficiente para proteger a moeda, caso o sentimento em relação ao Novo Sol dê outra guinada para pior. O saldo da conta corrente do Peru também melhorou no ano passado, com o défice a cair para apenas 0,4% do PIB no quarto trimestre de 2018, o seu nível mais baixo em dois anos. A combinação das remessas de emigrantes com o investimento estrangeiro direto deve ser suficiente para cobrir esse défice.

O Novo Sol evoluiu globalmente de acordo com as nossas projeções dos últimos doze meses. Acreditamos que a combinação de uma aceleração no crescimento económico, preços estáveis ​​do cobre e a perspetiva de taxas mais altas, numa próxima reunião do Banco Central do Peru, devem apoiar a moeda peruana. Em nosso entender, tal deverá permitir ao banco central manter o par USD/PEN relativamente estável em torno da nossa previsão de longo prazo de 3,30.

Partilhar