Centro de informação COVID-19. Encontre recursos, links e informações úteis para pequenas e médias empresas. Saiba mais

Como a pandemia da COVID-19 está a afetar o mercado de câmbios?

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

31 March 2020

Escrito por
Matthew Ryan

Senior Market Analyst at Ebury. Providing expert currency analysis so small and mid-sized businesses can effectively navigate international markets.

A COVID-19 continua a causar estragos nos mercados financeiros. Preocupações com a aceleração da propagação do vírus fizeram com que muitos governos do mundo adotassem medidas rígidas de contenção, destinadas a diminuir o seu impacto.

A Europa continental foi particularmente afetada e agora está no epicentro da crise. Itália, Espanha e França estão agora em confinamento, tendo registado um grande aumento no número de casos confirmados nas últimas duas semanas. Medidas drásticas projetadas para deter a taxa de contágio, como o encerramento de restaurantes, cafés, hotéis, escolas e cinemas, foram implementadas em grande parte da Europa, com fronteiras fechadas e o movimento de pessoas severamente restringido. Os eventos esportivos foram cancelados ou adiados, e até pequenos aglomerados de pessoas agora proibidas em muitos países.

A taxa de crescimento no número de casos confirmados e mortes causadas pelo vírus, continuou a aumentar a uma taxa acelerada fora da China. Mais de 720.000 casos do vírus já foram relatados em todo o mundo em quase 200 países no momento da redação deste artigo (mais de 500 mil em apenas duas semanas), levando à morte de aproximadamente 34.000 pessoas em todo o mundo (quase cinco vezes durante o mesmo período)*. Fora da China, o número de casos confirmados agora é de aproximadamente 640.000, representando quase 90% dos casos globais em geral. A boa notícia é que o vírus agora parece estar amplamente sob controle na China, com o número de novos casos diários diminuindo efetivamente, fixando-se em média nos 40 nas últimas duas semanas *.

Gráfico 1: COVID-19 Novos casos diários confirmados (23/01 – 29/03), Fonte: Worldometer Data: 30/03/2020

Os EUA ultrapassaram a China e agora são o país mais afetado do mundo, depois de sofrer um grande aumento no número de novos casos diários na semana passada. A Europa continental também foi particularmente atingida, principalmente a Itália, que sofreu mais mortes do que qualquer outro país devido ao vírus. Espanha também parece estar numa trajetória semelhante, com a Alemanha não muito atrás em termos de casos confirmados (Gráfico 2). Contextualizando, o número de casos ativos em Itália (ou seja, o número total de casos menos aqueles totalmente recuperados ou mortes) agora supera o mesmo número na China em quase trinta vezes. De fato, a proporção de casos confirmados para mortes na Itália atualmente é de aproximadamente 9: 1 versus 25: 1 na China. Provavelmente, isso se deve a dois fatores, o primeiro sendo que o número de testes realizados na Itália é muito baixo em comparação com muitos outros países do mundo e a idade média comparativamente alta da Itália (46,5 anos versus 38,4 na China, segundo a Agência Central de Inteligência) .

Gráfico 2: COVID-19 Casos confirmados [Europa] (26/02 – 29/03), Fonte: Worldometer Data: 30/03/2020

Como é que os mercados financeiros estão a reagir à crise?

A reação nos mercados financeiros foi agressiva e violenta e assemelha-se aos movimentos testemunhados durante a crise financeira global em 2008/09, se não mais acentuada. Os mercados de ações sofreram o peso do sell off, pois os investidores fogem de ativos de maior risco em favor dos portos-seguros ou, em muitos casos, saem do mercado completamente. Os índices de ações dos EUA estabilizaram, embora ainda caiam aproximadamente 25% desde meados de fevereiro no momento da redação deste artigo, com ações na Europa mais baixas num montante semelhante. O índice FTSE 100, por exemplo, caiu para o nível mais baixo desde 2011, tendo perdido um terço de seu valor em menos de três semanas (Gráfico 3). A intervenção em larga escala por parte dos bancos centrais e governos ajudou em certa medida, embora esteja longe de restaurar totalmente a confiança dos investidores.

Gráfico 3: S&P 500 e Dow Jones Industrial Average Indices (Março ‘19 – Março ‘20), No mercado de câmbio, a estratégia de negociação mais popular nas últimas semanas tem sido a compra de dólar americano, particularmente às custas de moedas de mercados emergentes. O dólar atuou como a moeda de refúgio de escolha entre os comerciantes durante este crise, como costumava fazer em tempos de grande stress do mercado no passado. Abaixo, descrevemos as três principais razões pelas quais achamos que o dólar se superou:
1) É a moeda mais líquida do mundo.
2) A economia dos EUA é menos dependente da procura externa do que grande parte do mundo desenvolvido, principalmente da Europa.
3) A propagação do vírus tem sido relativamente menos agressiva nos EUA do que na Europa e na Ásia durante grande parte do surto, particularmente como percentagem do total da população. Um aumento no rigor dos testes nos EUA, no entanto, levou a um aumento acentuado no número de casos confirmados, com o país a ultrapassar a China como o país mais afetado do mundo.

Em termos comerciais, o dólar valorizou 8% nos dez dias seguintes a 10 de março, embora desde então tenha devolvido alguns de seus ganhos. O principal par EUR / USD sofreu com umas semanas muito voláteis, inicialmente subindo acentuadamente antes de cair para uma baixa de quase três anos abaixo do nível 1,07. Agora que a Reserva Federal reduziu as taxas de juros até zero, a razão para os investidores comprarem o euro na expectativa de um estreitamento dos diferenciais de taxas de juros da Zona Euro dos EUA, desapareceu. Entre as outras principais moedas, a coroa norueguesa e os dólares australiano e neozelandês estão entre os mais expostos, assim como a libra esterlina. A moeda do Reino Unido caiu para sua posição mais fraca em relação ao dólar desde 1985 a 18 de março (Gráfico 4). As medidas de volatilidade implícita no par dispararam e superaram os níveis testemunhados após a votação do Brexit em junho de 2016 durante a atual crise – níveis que são considerados improváveis ​​de serem alcançados novamente numa só geração. Atribuímos a extensão do sell off aos investidores que vêem as suas posições compradas em libras esterlinas postas em prática após as eleições no Reino Unido em dezembro e o prémio de risco mais alto da libra devido ao Brexit e ao grande déficit externo do país.

O yuan chinês manteve-se relativamente bem durante o recente e amplo sell off, superando quase todas as outras moedas da Ásia desde o início de março. Atribuímos esse bom desempenho às notícias amplamente encorajadoras que começando a ver fora da China, que atualmente parecem ter controlado o número de novos casos diários do vírus COVID-19. Diferentemente da maioria dos outros países do mundo, os casos confirmados do vírus na China estão quase estagnados, com uma média de apenas 40 por dia nos últimas quinze dias. Por outro lado, a maioria das principais áreas económicas do mundo ainda está na fase de crescimento do vírus, principalmente nos EUA e na Zona Euro, que emergiram como os dois principais pontos de acesso. O forte aperto do Banco Popular da China na moeda, que vê o banco central limitar as flutuações diárias na taxa de câmbio do CNY, também desempenhou um papel importanre. Um alívio contínuo de novos casos do vírus na China, combinado com as ações em andamento do PBoC, devem, na nossa opinião, continuar a apoiar o yuan nas próximas semanas.

Gráfico 4: GBP/USD (Fevereiro ‘20 – Março ‘20)
, Fonte: Refinitv Data: 30/03/2020

No universo do mercado emergente, várias moedas caíram para mínimos de vários anos. Entre os mais afetados estão as moedas de países que são fortemente dependentes da produção de commodities, principalmente devido à acentuada quebra na venda do petróleo (70% em cerca de um mês). O rublo russo está entre os mais afetados, perdendo cerca de 16% do seu valor em relação ao dólar, apenas em março. Noutros países, o peso mexicano e o peso colombiano também sofreram perdas dramáticas, com o real do Brasil e o rand sul-africano não muito atrás e abaixo de 10% este mês no momento da redação deste artigo. Outras perdas dos níveis atuais para essas moedas de alto risco são possíveis, a nosso ver, enquanto o vírus ainda está no auge nas principais áreas económicas do mundo.

Apesar de a pandemia de coronavírus até agora ter resultado em apenas 2.100 casos confirmados na Polónia, que em parte podem estar relacionados com a imposição antecipada de restrições no país, o zloty esteve sujeito a um grande sell off nas últimas semanas. O pânico do coronavírus resultou na perda do zloty em cerca de 5% em relação ao euro desde o início de março. O EUR / PLN ultrapassou recentemente o nível de 4,63, atingindo um novo recorde no início da semana passada (o nível mais alto desde 2009), embora desde então o zloty tenha recuperado algumas das perdas à medida que o sentimento global melhorou. Olhando para os fundamentos da economia polaca e o perfil de risco do país, parece que a moeda deve ser um pouco mais resistente. Acreditamos, no entanto, que o zloty foi prejudicado em parte devido à sua liquidez relativamente alta (o que facilita a venda da moeda).
Acreditamos que deve haver um limite para a depreciação do zloty, embora a chave seja o amplo ambiente de risco. A posição atual, não excessivamente dovish (expansionista) do banco central polaco, que não parece muito ansioso para reduzir novamente as taxas de juros, irá provavelmente ser solidário. Embora não seja possível excluir um sell off adicional de zloty no curto prazo, especialmente se a crise do coronavírus se intensificar e as medidas para limitar a sua disseminação, tanto fora do país como na Polónia ficarão mais restritivas e permanecerão em vigor por mais tempo.

Gráfico 5: FX Performance Tracker [divisas vs. USD] (Março 2020)
, Fonte: Refinitiv Datastream Data: 30/02/2020

Como as medidas de contenção podem impactar a economia global?

Começamos a receber os primeiros dados económicos que mostram o verdadeiro impacto das medidas de contenção do vírus na economia global nos últimos dias. Após os números desastrosos do PMI fora da China, os índices compostos na Zona Euro (31.4), Reino Unido (37.1) e EUA (40.5) caíram para recordes mínimos (Gráfico 6). Os pedidos iniciais de subsídio de desemprego nos EUA também dispararam para 3,3 milhões na semana até 20 de março, quase cinco vezes o pico registado durante a crise financeira.

Gráfico 6: US, Eurozone & UK Composite PMIs (2017 – 2020)
, Os bancos centrais tentaram avançar para um resgate nas últimas semanas. A Reserva Federal liderou o caminho, cortando as taxas em 150 pontos-base para o limite inferior efetivo ao reiniciar o seu programa de compra de ativos em larga escala. Muitos outros bancos centrais seguiram o exemplo, cortando as taxas de forma agressiva ou injetando liquidez no mercado. A principal questão para os bancos centrais é que não há muito que possam fazer diante de uma crise na saúde. Os legisladores não podem encontrar uma vacina, nem podem incentivar os consumidores a irem às lojas quando as próprias estão abertas para negócio. Acreditamos que as medidas mais eficazes serão aquelas que visam as empresas de maior risco, nomeadamente as PME. Esta assistência veio sob a forma de medidas como tolerância a dívidas, empréstimos de baixo custo e subsídios do governo.

Embora pensemos que as medidas de estímulo acima mencionadas devem ajudar a aliviar este golpe, acreditamos que agora não é uma questão de “se” a economia global entrará em recessão, mas quão significativa e prolongada será essa desaceleração. Dada a gravidade e a amplitude das medidas de contenção, é provável que seja uma medida muito severa que, no mínimo a curto prazo, eclipsa a grande crise financeira de 2008/09. Dito isto, continuamos esperançosos de que a economia global se recupere drasticamente assim que o pior acabar e as medidas de contenção forem gradualmente levantadas. Com os governos prontos para fazer o que for preciso, o objetivo de retornar a uma estrutura económica quase intacta assim que a epidemia for controlada pode ser razoável. No caso de cada país, acreditamos que muito dependerá da estrutura das suas economias e da ajuda das autoridades para mitigar o impacto negativo do vírus nas empresas e nas famílias. Pensamos que o último é crucial.

O que pode acontecer a seguir?

Sem precedentes históricos, é incrivelmente difícil fazer qualquer tipo de previsão precisa, principalmente a médio e longo prazo. O que sabemos é que é quase certo que a volatilidade do mercado permanecerá alta por enquanto, particularmente enquanto o vírus ainda está no auge nas principais áreas económicas do mundo, como Europa e EUA. No curto prazo, podemos continuar a verificar o dólar como a moeda de refúgio de escolha, embora o aumento acentuado no número de casos que estamos vendo nos EUA provavelmente limite a atração da moeda.

No que diz respeito às moedas de mercados emergentes, acreditamos que a direção e o tamanho dos movimentos serão amplamente idiossincráticos e, em grande parte, dependem dos fundamentos macroeconómicos de cada país, além de outros fatores (como posicionamento de mercado e liquidez). Os três principais indicadores que analisamos aqui são: i) Reservas cambiais relativas a meses de cobertura de importações, ii) dívida externa em % do PIB e iii) saldo da conta corrente em % do PIB. Delineamos abaixo esses indicadores para dez moedas de mercados emergentes selecionados. Aqueles com os fundamentos mais fortes, como altas reservas cambiais, baixa dívida externa e superávits ou pequenos déficits na conta corrente, estão, em nossa opinião, mais bem equipados para enfrentar qualquer possível venda adicional em ativos de risco que o vírus COVID-19 possa induzir. Denotamos aqueles que acreditamos que poderiam conter o melhor em verde e os mais expostos em vermelho.
, Fonte: Refinitiv Datastream/Oxford Economics

*according to Worldometer (Worldometers.info)
**months’ worth of import cover

Partilhar