EBURY WEBINAR - FX markets: Events that shaped 2022 and outlook for 2023 | 13th December 2022. Save your seat.

Moedas europeias recuperam face a declarações conservadoras do BCE e avanço ucraniano

( tempo de leitura: 3 minutos )

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

12 Setembro 2022

Escrito por
Enrique Díaz-Álvarez

Chief Risk Officer na Ebury

A escalada de 75 p.b. do BCE, seguida de declarações duras das habituais “fontes”, contribuiu para a valorização da moeda comum face à maioria dos seus pares mundiais, arrastando consigo todas as outras moedas europeias, ao mesmo tempo que o Iene japonês acabou novamente no fundo do ranking, arrastado pela insistência do Banco do Japão em permanecer o último reduto no G10

N
ão foi apenas o BCE: as taxas em todo o mundo entraram numa escalada na semana passada. Os rendimentos do Tesouro dos EUA atingiram novos máximos, o que desta vez não ajudou o Dólar americano. À hora em que escrevemos este relatório, as moedas europeias continuam a subir nos mercados asiáticos de segunda-feira, possivelmente impulsionadas pelos avanços militares ucranianos contra as forças russas e a perspetiva de uma resolução para a guerra naquele país.

O ponto alto desta semana será certamente o relatório sobre a inflação dos Estados Unidos da América de junho que sairá na terça-feira. É quase certo que a inflação global irá sofrer mais uma retração, em resultado de preços energéticos mais baixos. No entanto, a chave está na inflação subjacente, que teima em não mudar. Independentemente do resultado, a viragem agressiva da Reserva Federal deverá muito provavelmente embarcar em mais uma subida acentuada de 75 p.b. na semana a seguir a esta.

A reunião do Banco de Inglaterra marcada para esta semana foi adiada para a próxima devido ao falecimento da Rainha de Inglaterra, pelo que haverá poucas notícias programadas fora da inflação que façam mexer os mercados.

EUR

O BCE aprovou a subida maciça de 75 p.b., tal como antecipámos. A conferência de imprensa da Presidente Lagarde foi confusa, como de costume, mas vozes de “fontes do BCE” confirmaram o avanço determinado, provocando uma subida em flecha de ambas as taxas e o Euro. Está prevista mais uma subida de 75 p.b. em setembro, e continuamos da opinião de que a taxa máxima de 2,5% BCE pode ser demasiado baixa. Os números da produção industrial desta semana reportam-se a julho e são, portanto, demasiado antigos para influenciarem o mercado significativamente, pelo que o relatório do IPC dos EUA na terça-feira deverá ser também o evento chave para o Euro.

USD

Os dados de segunda linha publicados nos EUA confirmam a nossa ideia de que a economia mantém a dinâmica. O índice ISM da indústria não transformadora surpreendeu pela positiva, em consonância com os dados sobre o emprego. No entanto, as taxas americanas ficaram atrás das de outras geografias e o Dólar sofreu as consequências de tal facto.

As atenções viram-se agora para o relatório sobre a inflação na terça-feira. A inflação subjacente será determinante uma vez que exclui a volatilidade das componentes alimentares e energéticas. A variação anual deste indicador tem vindo a registar uma ligeira tendência descendente nos últimos meses, mantendo-se no entanto inaceitavelmente elevada para a Reserva Federal. Uma inversão neste ponto traria más notícias para o banco central e exigiria mais uma subida do valor final esperado para a taxa “overnight” nos EUA, que atualmente ronda os 4%.

GBP

A morte de Sua Majestade dominou a atualidade no Reino Unido na semana passada, e o seu impacto sobre os mercados foi compreensivelmente silenciado. A Libra juntou-se à subida das moedas europeias em relação ao Dólar, embora não tenha conseguido acompanhar o Euro. Esta semana vamos seguir de perto o relatório sobre o mercado laboral na terça-feira. Contamos mais uma vez com resultados fortes, incluindo ao nível da criação de emprego, do número de desempregados e dos salários, que deverá apoiar a nossa afirmação de que um consumidor forte, impulsionado pelo pleno emprego e poupanças durante a pandemia, será provavelmente o principal pilar da economia do Reino Unido nos próximos meses.

 

🔊 Quer estar por dentro de todas as novidades do mercado cambial? Não perca o FXTalk!.

 

Quer saber mais sobre o mercado de câmbios e como os nossos peritos o podem ajudar?. Contacte-nos.

Partilhar