Centro de informação COVID-19. Encontre recursos, links e informações úteis para pequenas e médias empresas. Saiba mais

Mercados cambiais permanecem voláteis à medida que bancos centrais anunciam medidas adicionais

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

14 April 2020

Escrito por
Enrique Díaz-Álvarez

Chief Risk Officer at Ebury. Committed to mitigating FX risk through tailored strategies, detailed market insight, and FXFC forecasting for Bloomberg.

Os mercados financeiros de todo o mundo continuaram a olhar para além das notícias económicas negativas e a concentrarem-se nas massivas intervenções dos Estados e dos bancos centrais que são anunciadas semanalmente.

D
e modo geral, as bolsas de valores e os ativos de risco continuaram a recuperar na semana passada, uma semana em que a Reserva Federal anunciou mais um lote de empréstimos diretos de apoio à economia e o Eurogrupo lançou um outro pacote de estímulos fiscais, um pouco mais modesto, a ser adicionado aos pacotes nacionais. Ao contrário dos ativos de risco, os mercados cambiais do G10 não souberam bem o que fazer com a notícia e a maioria das moedas encerrou a semana onde tinha começado. As moedas dos mercados emergentes e dos países exportadores de commodities do G10, pelo contrário, juntaram-se aos ativos de risco de todo o mundo e mobilizaram-se em força. Os melhores desempenhos foram as moedas do petróleo, impulsionadas pelas perspetivas de um acordo para reduzir a produção e a sua consequente recuperação dos preços do petróleo.

Na próxima semana, o foco será duplo. Por um lado, os investidores estarão focados no ritmo de declínio das novas infeções pelo novo Coronavírus na Europa, na gradual recuperação económica da China e na confirmação de que os casos nos EUA estão a atingir o pico. Por outro lado, as medidas económicas de alta frequência, como os pedidos de subsídios de desemprego semanais e as vendas de retalho mensais dos EUA, serão examinadas de perto, a fim de avaliar a extensão dos danos causados pela pandemia.

EUR
Ao pacote de medidas destinadas a mitigar o impacto económico da pandemia, a Zona Euro adicionou um pacote de resgate fiscal internacional, no valor de cerca de 4% do PIB da Zona Euro. Embora este número seja mais modesto do que o considerado nos EUA, devemos lembrar-nos de que é complementar a outras medidas de estímulo substanciais que estão a ser tomadas por cada um dos Estados individualmente, com o apoio explícito do BCE. Pelo contrário, os diferentes Estados norte-americanos são incapazes de assegurar os próprios estímulos fiscais e dependem quase exclusivamente dos programas federais. Permanecemos impressionados com a amplitude e a velocidade da resposta global da Zona Euro e acreditamos que, mais cedo ou mais tarde, isso se irá traduzir num Euro mais forte.

GBP
Na ausência de grandes publicações de dados em tempo útil, o elemento decisivo para o desempenho da Libra esterlina esta semana poderá ser o anúncio do governo sobre a duração do confinamento no Reino Unido. A primeira revisão do estado de confinamento pelo Governo terá lugar esta quinta-feira, uma vez que a lei exige uma revisão de três em três semanas durante o período em que as medidas permaneçam em vigor.
Embora o confinamento pareça estar a funcionar até certo ponto neste momento, ainda é muito cedo para avaliar se o Reino Unido passou o pico do vírus. O prolongamento do confinamento, possivelmente por mais três semanas, é agora quase certo. É provável que isso já esteja a ser contabilizado pelos mercados, pelo que a Libra irá provavelmente acompanhar muito de perto os movimentos do Euro face ao Dólar na próxima semana.

USD
A Reserva Federal lançou mais um enorme programa de empréstimos de apoio à economia. O novo pacote inclui empréstimos para governos locais e estaduais, uma peça essencial do puzzle do apoio, tendo em conta o declínio das receitas fiscais e a sua incapacidade para lidar com os défices por conta própria. No entanto, o mais forte indicador atual dos danos causados pela crise, o número dos subsídios de desemprego semanais, continua a ecoar expectativas pessimistas. Embora a resposta fiscal e monetária nos EUA seja proporcional à dimensão do problema, continuamos a prever uma contração mais profunda e mais longa nos EUA do que na Europa e a manter a nossa visão positiva do Euro.

Partilhar