Centro de informação COVID-19. Encontre recursos, links e informações úteis para pequenas e médias empresas. Saiba mais

Dólar sustentado pela aversão ao risco

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

26 November 2018

Escrito por
Enrique Díaz-Álvarez

Chief Risk Officer at Ebury. Committed to mitigating FX risk through tailored strategies, detailed market insight, and FXFC forecasting for Bloomberg.

Os mercados financeiros mundiais continuaram a onda de vendas durante o feriado americano do Dia de Ação de Graças (Thanksgiving Day).

Na falta de notícias económicas ou monetárias de relevo, os mercados cambiais viraram-se para outros ativos de risco e reagiram de forma previsível. Moedas como o Dólar australiano, o Dólar neozelandês e a Coroa norueguesa foram as que mais sofreram, enquanto o Dólar americano valorizou face às restantes moedas do G10, à exceção das moedas de refúgio, o Iene japonês e o Franco suíço. A venda em massa de matérias-primas também influenciou o desempenho dos mercados emergentes, com países importadores de petróleo como a Turquia a suplantarem os resultados dos exportadores de matérias-primas, em particular da América Latina.

Na próxima semana a atenção dos mercados de câmbio deverá estar toda centrada nos desenvolvimentos políticos. O debate sobre o acordo do Brexit, alcançado entre a UE e a Primeira-ministra Theresa May, sujeito a votação pelo parlamento britânico, será determinante, como o será também a reunião do G20, que terá lugar no próximo fim-de-semana e quaisquer desenvolvimentos no impasse entre o Governo italiano e a Comissão Europeia relativamente ao orçamento de Itália.

EUR

Na semana passada o Euro conseguiu manter perdas face ao Dólar em níveis respeitáveis. Considerando as notícias desoladoras que saíram da Zona Euro, não se tratou de um feito pequeno. Os índices PMI da atividade comercial voltaram a descer. O índice compósito caiu para 52,4, registando o seu valor mínimo em 47 meses, ainda indicador de expansão, embora confirmando uma perda preocupante de impulso. A isto junta-se a ausência de sinais de recuperação da inflação, o que significa que a nossa previsão para a primeira subida do BCE no terceiro trimestre de 2019 está em risco. A não ser que se verifique uma retoma significativa destes sinais, em dezembro, a nossa previsão será adiada mais para diante, e as nossas estimativas para o Euro serão revistas em baixa.

GBP

As notícias económicas estão a ser acompanhadas atentamente pelos mercados, à medida que se aproxima o momento da verdade sobre o Brexit. Após a finalização da proposta de acordo entre a Primeira-ministra May e a União Europeia durante o fim-de-semana, o drama está agora virado para o parlamento do Reino Unido. As apostas pendem mais para o lado de uma votação favorável ao acordo, mas a verdade é que ninguém sabe. A Libra Esterlina encarou positivamente a notícia de um acordo, no passado domingo, enquanto aguarda pelo resultado da votação. Sendo muito poucas as notícias que saem do Reino Unido, a Libra Esterlina estará focada nas próximas semanas na contagem dos votos a favor e contra o acordo.

USD

Como se verifica frequentemente durante a semana do feriado do Dia de Ação de Graças, os valores de negociação do Dólar basearam-se em eventos externos. O nervosismo geral sentido no mercado trouxe a moeda para níveis superiores durante a semana. Esta semana deverá ser um pouco diferente. O principal acontecimento será a publicação das actas da última reunião da Reserva Federal, na quarta-feira. Os mercados já excluíram todas as subidas de taxas calculadas para 2019, á exceção de uma, e haverá interesse em averiguar se a retórica da Reserva Federal justifica este abrandamento.

Partilhar