Centro de informação COVID-19. Encontre recursos, links e informações úteis para pequenas e médias empresas. Saiba mais

As moedas dos mercados emergentes continuam a recuperar, com os investidores a procurar ativos de risco

  • Voltar
  • Análise do Mercado de Câmbios
    Análise do Mercado de Câmbios|Geral
    Análise do Mercado de Câmbios|Relatórios especiais
    Comércio Internacional
    Comércio Internacional|Finanças para empresas
    Finanças para empresas|Fintech
    Finanças para empresas|Sobre a Ebury
    Fintech
    Fraude
    Geral
    Imprensa
    Relatórios especiais
    Sobre a Ebury
  • Latest

1 July 2019

Escrito por
Enrique Díaz-Álvarez

Chief Risk Officer at Ebury. Committed to mitigating FX risk through tailored strategies, detailed market insight, and FXFC forecasting for Bloomberg.

Na semana passada, os miseráveis rendimentos miseráveis disponíveis em todo o universo da rendibilidade fixa do G10 continuaram a empurrar os investidores para mercados emergentes com oferta de maiores lucros.

A
s moedas do G10 continuam a estagnar enquanto as dos mercados emergentes ganham terreno. Os vencedores da semana passada foram as Rupias indonésia e indiana, bem como o Rand sul-africano. O Euro levou o Dólar a um empate, enquanto a Libra esterlina lutou novamente contra o nervosismo dos investidores em relação ao Brexit.

Na próxima semana, os mercados cambiais serão dominados pelo aparente abrandamento das tensões comerciais entre a China e os EUA após a reunião do G20 do fim de semana. Este desenvolvimento deve ser positivo para os ativos de risco em geral e para as moedas dos mercados emergentes em particular. Na sexta-feira, o relatório sobre o emprego nos EUA será crítico. Veremos se as apostas dos mercados em quase quatro cortes nas taxas de juros nos EUA não terão sido precipitadas.

EUR

A publicação das estimativas da inflação para junho teve algumas notícias ligeiramente positivas. O principal indicador, que exclui as componentes voláteis da alimentação e da energia, subiu para 1,1%. Embora ainda esteja muito abaixo da meta do BCE, o enorme salto de 0,3% num só mês dá-nos alguma esperança de que estejamos finalmente a assistir ao início de uma tendência de subida sustentada. Tendo em conta as enormes apostas especulativas contra o Euro, esperamos que qualquer boa notícia macroeconómica da Zona Euro tenha um impacto positivo na negociação do Euro.

GBP

A notícia de que o principal candidato à liderança do Partido Conservador está a preparar o orçamento para um Brexit sem acordo não deve ajudar a Libra na próxima semana. Apesar de o crescimento no Reino Unido se estar a aguentar melhor do que o esperado, com valores pouco abaixo de uma taxa anualizada de 2%, os mercados continuam totalmente focados nas perspetivas de um Brexit sem acordo. É improvável que vejamos qualquer evolução do mercado nesta frente. No entanto, a divulgação dos índices PMI da atividade comercial na quarta-feira deverá dar-nos uma antevisão do impacto que a incerteza renovada quanto ao Brexit está a produzir na atividade empresarial.

USD

Aparentemente os funcionários do Fed descartaram a possibilidade de um corte de 0,5% em julho, o que ajudou a rendibilidade dos títulos do Tesouro dos EUA a 10 anos a manter-se imediatamente acima de 2,00% e ofereceu algum apoio ao Dólar face aos seus principais pares do G10. Na sexta-feira aguardamos uma publicação de dados macroeconómicos importantes. O relatório do emprego dos EUA para junho vai dizer-nos se a fragilidade do mês anterior foi uma casualidade estatística ou o início de uma desaceleração. Se, como esperamos, o primeiro for verdade, poderemos assistir a uma correção bastante acentuada das expectativas exuberantes de cortes nos mercados de rendibilidade fixa dos Estados Unidos.

Partilhar