Declarações de Trump sobre tarifas aduaneiras travam subida do Dólar

Enrique Díaz-Álvarez05/Mar/2018Análise do Mercado de Câmbios

A semana começou com a continuação da retoma do Dólar, impulsionada pelos comentários positivos do novo Presidente da Reserva Federal (Fed), Jerome Powell, no seu discurso semestral perante o Congresso norte-americano. No entanto, a subida do Dólar foi abruptamente travada na quinta-feira, após o anúncio inesperado de Donald Trump sobre a sua intenção de aplicar tarifas aduaneiras às importações de aço e alumínio, respetivamente de 25% e 10%. Na sexta-feira, tanto a União Europeia como a China deixaram bem claro que tencionavam retaliar com medidas (até agora) de igual calibre. O Dólar desvalorizou na maior parte dos ativos financeiros e terminou a semana praticamente estacionário face ao Euro. O melhor desempenho no universo do G10 pertenceu ao Iene japonês, a ganhar face a todas as principais moedas, na sequência da notícia de que o Governador do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, admitiu ponderar medidas para a descontinuação da atual política monetária ultra-expansionista.

À data deste texto, a notícia de que o SPD alemão aprovou a formação de um governo de coligação com a União Democrata-Cristã (CDU) de Merkel parecia compensar os resultados inconclusivos das eleições italianas, deixando o Euro praticamente inalterado no início da sessão das bolsas asiáticas, esta segunda-feira. Além das repercussões do anúncio de Trump sobre a imposição de tarifas aduaneiras, os destaques desta semana vão para a reunião do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira, e a publicação do relatório do emprego norte-americano referente a fevereiro, na sexta-feira.

EUR

O ciclo de notícias económicas, na semana passada, teve um saldo negativo para o Euro, mas o mercado acabou por decidir que a conversa sobre protecionismo no outro lado do Atlântico contrabalançava esse sentimento pessimista. Além de um certo abrandamento na recuperação económica, observado nos principais índices de atividade empresarial PMI, os números da inflação teimam em não evidenciar qualquer sinal de tendência de subida sustentada. As projeções dos economistas do BCE, divulgadas na sua reunião de março, que terá lugar na quinta-feira, assumem por isso uma importância decisiva. Vamos estar atentos para perceber o efeito dos dados da inflação abaixo do esperado nas referidas projeções. Ao contrário de algumas expectativas do mercado, não esperamos alterações de relevo na orientação futura do BCE. Se essas expectativas se frustrarem, a moeda única poderá ser penalizada.

GBP

Na passada semana, à falta de dados económicos de relevo, o principal catalisador da evolução da Libra foram as más notícias sobre as negociações do Brexit. A divulgação da primeira versão de um acordo bastante duro com a União Europeia colocou a Libra em desvantagem durante toda a semana, a qual terminou a perder face ao Euro e ao Dólar. Espera-se uma semana igualmente tranquila no que diz respeito à publicação de dados para o Reino Unido. A expectativa é de que a Libra seja conduzida pela reação da UE ao discurso bastante conciliatório da Primeira-Ministra Theresa May, na passada sexta-feira.

USD

A agenda desta semana não prevê anúncios importantes nos EUA até à publicação do relatório do emprego, na sexta-feira à tarde. Até lá, o Dólar deverá negociar sobretudo em reação às repercussões do anúncio de Trump sobre as tarifas alfandegárias. Consideramos que a justificação legal para o anúncio imoderado de Trump (ameaça à segurança nacional) é, no mínimo, frágil. Dada a oposição quase unânime por parte das empresas norte-americanas, há boas probabilidades de a aplicação das tarifas aduaneiras não chegar a ser implementada, especialmente atendendo ao estado cada vez mais caótico da Administração Trump.

Print

Written by Enrique Díaz-Álvarez

Diretor de Risco da Ebury. Responsável pela gestão estratégica e análise do mercado de câmbios para a empresa e seus clientes. Enrique é reconhecido pela Bloomberg como um dos analistas mais precisos e exactos nas suas previsões de câmbios.