Recuperação do Dólar acelera com expectativa de subida das taxas de juro nos EUA

Enrique Díaz-Álvarez02/Oct/2017Análise do Mercado de Câmbios

Os desenvolvimentos políticos nos EUA foram benéficos para o Dólar pela primeira vez este ano, contribuindo para a quarta semana consecutiva de desempenho positivo desta moeda. Ao que parece, a liderança do Partido Republicano e a Administração Trump estão a convergir para a aprovação de um pacote de medidas de redução de impostos. Ainda que o passado recente nesta matéria não seja muito animador, a simples possibilidade de uma aprovação foi suficiente para impulsionar a subida do Dólar num mercado que já tinha afastado por completo tal eventualidade. Num movimento de recuperação convincente e com um bom suporte, o Dólar valorizou, na semana passada, face a todas as moedas do G10 e às moedas dos principais mercados emergentes, com a única exceção do Rublo russo.

Esta semana, o principal evento de risco para os mercados cambiais é a publicação do relatório sobre o mercado de trabalho norte-americano, na sexta-feira. Os números deverão ser afetados pelo efeito dos furacões que atingiram os EUA, mas os mercados vão provavelmente ignorá-los, tendo em conta a sua pouca relevância. Os números referentes ao crescimento salarial serão mais significativos e a expectativa da Reserva Federal é que o aumento dos salários se consolide, para que as suas previsões de inflação se concretizem. A situação política na Zona Euro, decorrente das repercussões do referendo na Catalunha e dos esforços para formar um governo de coligação na Alemanha, vai apresentar alguns riscos de cobertura noticiosa negativa, prejudiciais para o Euro.

EUR

Na passada semana, além da recuperação das yields norte-americanas, com base na expectativa de um pacote de medidas de redução de impostos, o Euro foi igualmente penalizado pelo regresso dos riscos políticos à Zona Euro. Na Alemanha, os resultados eleitorais foram surpreendentemente bons para a extrema-direita e catastróficos para os sociais-democratas, com a consequente passagem desta força partidária à oposição. A Chanceler Merkel terá, assim, de formar uma coligação difícil com Liberais e Verdes. Enquanto isso, em Espanha intensificou-se o conflito entre Madrid e o governo regional da Catalunha, sobre o referendo à independência convocado pelas autoridades catalãs.

Na quinta-feira, os mercados vão analisar ao pormenor as atas da última reunião do Banco Central Europeu. Além disso, os riscos de cobertura noticiosa negativa provenientes da Espanha e da Alemanha podem contribuir para uma trajetória de desvalorização da moeda única.

GBP

Na semana passada, foram poucos os dados sobre indicadores macroeconómicos ou monetários, publicados no Reino Unido. O crescimento do PIB foi revisto ligeiramente em baixa, mas, por se tratar de um indicador atrasado, teve um impacto relativamente reduzido sobre a Libra. Prevê-se que esta seja uma semana igualmente tranquila, em que os principais riscos estão associados ao congresso do Partido Conservador, nomeadamente riscos de cobertura noticiosa negativa. Por outro lado, consideramos que os recentes rumores a favor de um período de transição após o prazo previsto no Artigo 50 oferecem um bom suporte para a Libra, dando assim continuidade à recente recuperação desta moeda face ao Euro.

USD

Nos EUA, a passada semana, ligeira a nível de publicação de dados, foi dominada por notícias de política governamental e política monetária. A aprovação de um pacote de medidas de redução de impostos, com especial destaque para a diminuição da carga fiscal sobre as empresas, parece estar cada vez mais próxima, embora o fraco desempenho recente dos Republicanos, em matéria legislativa, imponha um certo cepticismo. Alguns responsáveis da Reserva Federal continuam a sugerir uma subida das taxas de juro na reunião de dezembro, acentuando a grande discrepância existente entre as expectativas do mercado para as taxas de juro e as previsões da própria Fed. Tendo em conta que os diferenciais entre as taxas dos EUA e da Zona Euro continuam a alargar, o Dólar deverá manter um bom suporte.

Print

Written by Enrique Díaz-Álvarez

Diretor de Risco da Ebury. Responsável pela gestão estratégica e análise do mercado de câmbios para a empresa e seus clientes. Enrique é reconhecido pela Bloomberg como um dos analistas mais precisos e exactos nas suas previsões de câmbios.