Relatório G4: esperamos um total de três ou quatro subidas de taxas de juro nos EUA em 2017

Enrique Díaz-Álvarez15/Feb/2017Análise do Mercado de Câmbios

Relatório especial G4: dólar, euro, libra e yen japonês

Em relação a previsões das moedas do G4, na Ebury prevemos bastantes possibilidades de um novo aumento nas taxas de juro dos Estados Unidos já no próximo mês de março, suportado por um mercado de trabalho que continua a responder positivamente. Em concreto, são previstas três ou quatro subidas em 2017, em linha com o último gráfico de pontos (dot plot) construído a partir das expectativas dos membros do FOMC, e ainda a paridade euro/dólar durante o primeiro semestre deste ano.

Em relação à libra, prevemos que gradualmente se vá valorizando face ao dólar, de 1,20 para 1,25, e que dispare face ao euro durante este ano passando de 1,21 para 1,28 até ao final de 2017. Consideramos também que apesar da incerteza trazida pelo Brexit, a economia do Reino Unido continua a demonstrar-se bastante resistente.

Pensamos que a libra continuará a ser sensível e volátil às notícias publicadas em relação à saída do Reino Unido da UE, durante os próximos meses. No entanto, continuamos a defender que o preço actual da libra é insustentavelmente baixo e não justificado por qualquer fundamento económico.

Defende Enrique Díaz, diretor de riscos na Ebury

Em relação ao euro, prevemos que continuará a estar sujeito à pressão dos vários acontecimentos políticos esperados na Europa em 2017. O grande número de eleições nos países da UE este ano começará a ganhar protagonismo nas próximas semanas e o resultado poderá ditar o futuro a longo prazo da Eurozona. Assim, consideramos que a crescente divergência entre a política monetária do BCE e da Reserva Federal, em conjunto com a incerteza política, deverá dar origem a uma desvalorização gradual e global do euro, face a quase todas as divisas do G10, durante 2017.

Em relação ao yen japonês, espera-se que o Banco do Japão mantenha a sua política monetária expansionista sem grandes mudanças ao longo de 2017. Isto manterá a moeda nipónica sob pressão contra a maioria das principais moedas em 2017 e 2018.

Print

Escrito por Enrique Díaz-Álvarez

Diretor de Risco da Ebury. Responsável pela gestão estratégica e análise do mercado de câmbios para a empresa e seus clientes. Enrique é reconhecido pela Bloomberg como um dos analistas mais precisos e exactos nas suas previsões de câmbios.