Libra cai e Iene sobe com reuniões dos Bancos Centrais em destaque

Enrique Díaz-Álvarez11/Apr/2016Análise do Mercado de Câmbios

Embora o Euro e o Dólar tenham permanecido dentro de um intervalo durante a semana passada, assistimos a alguma volatilidade nos mercados de câmbios.

A Libra voltou a cair, enquanto que o Iene tirou partido do aparente desentendimento das autoridades japonesas e da sua inabilidade de formular uma política monetária coerente, tendo-se valorizado uns significativos 3% ao longo da semana. Os mercados estarão atentos às próximas reuniões dos bancos centrais de forma a validar (ou não) as fortes movimentações a que temos assistido recentemente no mercado de câmbios. O Banco de Inglaterra estará no centro das atenções na próxima quinta-feira, tal como estará o início oficial da campanha para o referendo sobre o Brexit na sexta-feira. Embora a desvalorização da Libra se deva à incerteza em relação à política monetária e ao risco de um Brexit, este último ainda não se reflete no valor do Euro, tal como não se reflecte a fragilidade económica da Zona Euro. Neste contexto, o anúncio desta semana dos números da produção industrial na Zona Euro de Fevereiro torna-se ainda mais importante, uma vez que os mercados estão a prever uma descida acentuada deste indicador. Por este motivo, esperamos assistir a muita volatilidade nas moedas europeias em torno dos eventos de quarta e quinta-feira.

EUR

O principal evento da semana foi a publicação das minutas da reunião de Março do Banco Central Europeu. Embora não tenha havido nada extremamente significativo nesta comunicação, é tranquilizador saber que houve um consenso generalizado para a necessidade de alívio económico. Mais significativamente, houve uma preocupação com os desiquilíbrios entre poupanças e investimentos na Zona Euro e a debilidade do investimento mesmo num ambiente de taxas de juro muito baixas.

A economia da Zona Euro estará no centro das atenções durante a próxima semana, com o lançamento dos dados de investimento em produção. Há um consenso para uma leitura muito fraca, uma queda de 0,7% por mês e um regresso aos baixos níveis anuais de 1,3%. Acreditamos que estes números trarão de volta ao foco dos investidores o tema da “divergência” entre a Zona Euro e os EUA e acreditamos que o Euro terá dificuldade em manter-se nestes níveis.

GBP

Tal como mencionado anteriormente, a Libra esteve em queda na semana passada. Provas de que os riscos de Brexit estão a prejudicar os planos de investimento são escassos, uma vez que o índice de gestores de compras (PMI) subiu quase um ponto para 53,6. A Libra procura agora obter algum apoio na reunião do Banco de Inglaterra na quinta-feira. Embora se espere que se mantenha inalterada, os mercados vão ler avidamente as minutas. Por isso, deveremos assistir a algum pessimismo. No entanto, esperamos que haja algum reconhecimento da extrema debilidade da moeda e no apoio que daí resulta para a economia do Reino Unido. Uma sugestão destas poderá apanharos mercados desprevenidos e vemos margem para uma subida da Libra, ainda que de valores muito baixos.

USD

Tal como na Zona Euro, tivemos uma semana com pouca informação macroeconómica e as principais notícias centraram-se no lançamento das minutas da reunião de Março da FED. A principal conclusão é que a Reserva Federal está cada vez mais dividida em relação ao futuro das subidas das taxas de juro. Alguns membros estavam prontos para uma subida já em Abril, um desfecho que o mercado descarta por completo. A crescente fação radical na FOMC provavelmente não terá os votos para forçar a que haja uma subida na próxima reunião mas prevemos que em Junho haja uma subida, a menos que os mercados financeiros sofram uma queda acentuada.

Print

Escrito por Enrique Díaz-Álvarez

Diretor de Risco da Ebury. Responsável pela gestão estratégica e análise do mercado de câmbios para a empresa e seus clientes. Enrique é reconhecido pela Bloomberg como um dos analistas mais precisos e exactos nas suas previsões de câmbios.