20% das empresas no Reino Unido pondera relocalizar-se caso Brexit avance

Duarte Líbano Monteiro01/Apr/2016Comércio Internacional

As pequenas e médias empresas de duas das maiores economias da União Europeia mostram-se menos propensas a fazer negócios com a Grã-Bretanha, caso esta decida sair do espaço comum, de acordo com um estudo realizado pela empresa de serviços financeiros Ebury, junto de 650 pequenas e médias empresas de Espanha, Países Baixos e Reino Unido.

Uma em cada cinco empresas inquiridas no Reino Unido revelou que consideraria mudar a sua sede para fora do Reino Unido caso ocorresse um Brexit. Uma em cada três PME em Espanha e uma em cada cinco nos Países Baixos dizem que seria menos provável que realizassem negócios ou que poderiam mesmo cessar as suas relações comerciais com o Reino Unido, se este deixasse a União Europeia.

Questionadas sobre que região elegeriam para concentrar os seus negócios se se confirmar a saída do Reino Unido da União Europeia, mais de 30% das PME espanholas alvo do inquérito ​​apontou para a Ásia. Outros destinos assinalados foram a América do Sul (cerca de 20%), enquanto a América do Norte, Oceânia e o Médio-Oriente receberam 10% das respostas.

Para as empresas nos Países Baixos, o quadro é muito diferente. A esmagadora maioria das empresas holandesas (83%) diz que manteria a Europa como principal destino dos seus negócios mas provavelmente intensificaria as suas relações comerciais com o resto do continente. Para os restantes 17%, a Ásia seria o mercado escolhido.

Os riscos para a estabilidade da Libra

Em relação aos resultados do inquérito, o Diretor Geral da Ebury para Portugal e Espanha, Duarte Líbano Monteiro, disse: “A preocupação com o cenário do Brexit é real e é algo que, no que diz respeito ao Reino Unido, preocupa todas as empresas, independentemente da sua dimensão. Estão em causa questões regulamentares, de política de imigração e de acesso ao mercado e o seu impacto é muitas vezes ampliado quando se trata de PME, que não têm a dimensão nem os recursos de grandes empresas para enfrentar uma mudança desta magnitude “.

Duarte Líbano Monteiro destaca igualmente os riscos para a estabilidade da moeda britânica, “A atual incerteza sobre a continuidade do Reino Unido na UE pode levar a volatilidade nos preços dos ativos e a flutuações das taxa de juro ou instabilidade a libra. Todos estes efeitos, em diferentes graus, têm uma influência decisiva no negócio das PME”.
O Diretor Geral da Ebury para Portugal e Espanha adiantou que “se se confirmar o Brexit, o cenárioserá alterado para sempre para as empresas britânicas, como de resto comprovam 20% das PME britânicas que consideraria mudar a sua sede para fora do Reino Unido. Este ponto de vista é apoiado por 33% das PME espanholas e por 20%das empresas nos Países Baixos, que alegam que o Brexit levá-las-ia a concentrarem-se comercialmente noutros mercados na Europa e até mesmo mais longe”.

Print

Written by Duarte Líbano Monteiro

Diretor Geral da Ebury Ibéria. Profissional com vasto conhecimento acerca da indústria financeira e com mais de 10 anos em experiência em gestão e direção de vendas. Lidera a forte expansão da Ebury para o mercado de Portugal e Espanha.