Dólar perde balanço enquanto os mercados emergentes continuam a recuperar
A grande notícia da semana passada foi provavelmente a decisão de adiamento do Brexit até 31 de outubro.
No entanto, os mercados pareciam ter já antecipado este resultado, e a notícia não desencadeou nenhuma reação forte na Libra. Nem a reunião de abril do BCE nem a publicação da ata da reunião de março do Fed ajudaram a esclarecer o pensamento dos dois bancos centrais. A ligeira melhoria das novidades económicas saídas da Zona Euro serviu de suporte às moedas europeias, e as perspetivas de um acordo comercial entre os EUA e a China suportaram a maioria das moedas dos mercados emergentes.

Na próxima semana, os indicadores da atividade empresarial PMI da Zona Euro, de abril, sairão na quinta-feira. Encontrando-se os dados de segunda linha dos EUA e do Brexit temporariamente suspensos, será de esperar que a maior volatilidade dos mercados cambiais do G10 esteja relacionada com estes dados.

EUR



A ausência de qualquer anúncio significativo sobre as políticas do BCE, na reunião de abril, deu ao Euro um muito necessário impulso. Embora as comunicações do banco central tenham sido marcadas por um tom muito brando, a ausência de notícias na Zona Euro parece traduzir-se, para já, em boas notícias para o Euro. A moeda comum também sossegou um pouco, graças aos dados sobre a produção industrial, que foram melhores do que esperado. Os dados PMI provisórios de abril, esperados na quinta-feira, parecem-nos especialmente críticos, e contamos com uma surpresa positiva que venha confirmar que o abrandamento da produção industrial se deve principalmente a fatores extraordinários que estão a ser agora resolvidos.

GBP



Theresa May acordou com a UE um prolongamento até 31 de outubro do prazo de saída da EU; por conseguinte, o Reino Unido participará ainda nas Eleições Europeias de maio. Esta semana, os dados económicos devem finalmente receber alguma atenção, agora que a questão do Brexit ficou temporariamente adiada. O relatório do mercado de trabalho de terça-feira e os dados sobre a inflação de quarta-feira darão algumas indicações importantes, ainda que com algum atraso, sobre a forma como a economia do Reino Unido está a lidar com a incerteza em torno do Brexit.

USD



A publicação da ata da reunião da Reserva Federal de abril pouco contribuiu para esclarecer a súbita viragem cautelosa do pensamento do Fed desde finais do ano passado. Os membros continuam perplexos com a inflação adormecida, e a surpreendente descida modesta dos números do IPC de março, publicados na última semana, não ajudam. O Fed continua em suspenso num futuro próximo, e a combinação de crescimento mundial regular com taxas baixas nos países desenvolvidos constitui uma mistura poderosa favorável à recuperação das moedas dos mercados emergentes.
Imprimir