Ataques de Trump às subidas da Reserva Federal disparam desvalorização do dólar

Enrique Díaz-Álvarez28/Aug/2018Análise do Mercado de Câmbios

Nesta semana tipicamente sossegada de fim de verão a negociação foi dominada pelo ruído político da Casa Branca. As queixas de Trump sobre a política apertada da Fed derrubaram as taxas dos EUA e o dólar americano. O crescente aumento do apetite pelo risco por parte dos investidores não foi suficiente para ajudar o dólar, que terminou a semana em baixa face a todas as restantes moedas do G10, à excepção do Yen japonês, que também esteve sob a pressão da fuga dos paraísos de risco.

Esta semana antevê-se igualmente parca em notícias. As estimativas sobre a inflação da Zona Euro de sexta-feira serão provavelmente a notícia mais relevante. Seguiremos de perto estes dados, na expectativa de que a inflação na Europa comece finalmente a dar sinais de uma tendência de subida até à meta fixada pelo BCE.

EUR

A moeda do G10 com melhor desempenho na semana passada acabou por ser a moeda comum. Os índices PMI da atividade comercial ficaram solidamente acima dos 54 e o crescimento do PIB trimestral alemão cifrou-se nuns sólidos 0,5%. Todos os olhos estão agora postos nos dados sobre a inflação, que serão publicados na sexta-feira. Pensamos que uma subida significativa do euro em relação aos seus níveis atuais só acontecerá quando houver uma ideia clara quanto à cronologia das subidas do BCE, o que, por sua vez, dependerá de os dados sobre a inflação subjacente revelarem ou não uma tendência clara de subida que, até agora, não aconteceu.

 

GBP

Foi uma semana mista para a Libra Esterlina, que valorizou face ao Dólar, tal como a maioria das moedas do G10, mas não conseguiu manter-se a par do Euro. As notícias sobre as negociações do Brexit ainda não tiveram uma viragem positiva. O Governo do Reino Unido admitiu implicitamente que o prazo de outubro para a celebração de um acordo já não é viável e lançou algumas informações sobre preparativos para um resultado sem acordo.

 

USD

Para além dos comentários de Trump sobre a política da Reserva Federal, as notícias de que o seu antigo advogado estava a colaborar com os investigadores e de que o seu anterior diretor de campanha tinha sido condenado por fraude e evasão fiscal, parecem ter abalado o dólar americano. O presidente da Reserva Federal, Jerome Powell, reiterou a abordagem progressiva relativamente à subida das taxas de juro. O resultado foi uma semana difícil para o dólar dos EUA, que colocou o Euro perto da marca dos 1,17.

Não esperamos oscilações acentuadas do dólar face aos seus níveis atuais, enquanto a via para níveis de taxas de juro mais elevados no resto do mundo desenvolvido não tiver sido clarificada pelos respetivos bancos centrais.

Imprimir

Escrito por Enrique Díaz-Álvarez

Diretor de Risco da Ebury. Responsável pela gestão estratégica e análise do mercado de câmbios para a empresa e seus clientes. Enrique é reconhecido pela Bloomberg como um dos analistas mais precisos e exactos nas suas previsões de câmbios.